quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

O mar não sai de mim!!

Faz cinco anos que temos o Bepaluhê e neste período foi nele que vivi os melhores momentos de minha vida!
No Bepaluhê e no Mar!
Seja em família ou com amigos, viver o mar, estando dentro dele, nos trouxe muita paz, alegria, divertimento e união.
É por isto que digo sempre, mesmo longe do mar, o mar não sai de mim.

Lembranças de 2015:

Ilha Itanhangá - Angra dos Reis

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

O BEPALUHÊ ESTÁ A VENDA

Caros amigos,



Passados quase 5 anos do lançamento do Bepaluhê, com muitas milhas navegadas ao longo da costa do Brasil com muito conforto e segurança, mesmo em situações de mar e vento difíceis como na REFENO 2014.

Foram diversos momentos maravilhosos vividos dentro e fora do nosso querido veleiro que nos deixaram lembranças inesquecíveis..
A família é grande e a ocupação média tem sido de 3-4 pessoas a bordo com conforto. Mas os namorados e agregados vão chegar e queremos estar preparados para recebe-los com o mesmo conforto e alegria de sempre. Por esta razão concluímos que chegou a hora de dar um passo a frente em nossa vida de velejadores e decidimos vender o Bepaluhê e construir um sonho um pouco maior.
Não será fácil deixa-lo ir ... mas os barcos, tal como os filhos, não nos pertencem e devemos deixa-los seguir seu destino.

O Bepaluhê é um veleiro fantástico, trata-se de um Multichine 41 SK (swing keel – quilha retrátil)  projetado pelo respeitado escritório naval brasileiro Roberto Barros Yacht Design (Cabinho para os brasileiros) e construído com maestria, todo em alumínio naval,  pela Ilha Sul Construções Náuticas de Porto Alegre sob minha supervisão direta.  

Trata-se de um veleiro único no mercado nacional, construído somente com itens da melhor qualidade e buscando oferecer aos seus proprietários um conforto total,tanto durante a navegação como quando ancorado. Ítens como ar condicionado em todos os ambientes, gerador, radar, chartplotter, piloto automático, rádio SSB, epirb, Balsa salva vidas, entre outros, garantem ao Bepaluhê todo o conforto e segurança necessários aos navegadores mais exigentes.
Seja para uma navegação costeira, ou para uma volta ao mundo, o Bepaluhê está pronto para partir a qualquer momento; basta abastecer água, diesel e alimentos e partir.

Para quem quiser saber mais detalhes sobre a construção do Bepaluhê basta seguir o link: http://bepaluheaconstrucao.blogspot.com.br
Já aqueles que quiserem conhecer um pouco mais sobre nossas velejadas e as aptidões marinheiras do Bepaluhê sigam este outro link: http://www.bepaluhe.blogspot.com.br

Preço: R$ 980.000,00
Paulo Ribeiro

 Seguem os dados do inventário:

Modelo: Multichine 41 SK (quilha retrátil)
Projetista: Roberto Barros Yacht Design
Ano: 2011
Preço: R$ 1.200.000
Material de construção: Alumínio Naval
Motor: Yanmar 54 hp
Hélice: Kiwiprop de 4 pás + hélice Andreoni reserva de 3 pás
Tanques de água: 600 litros
Tanques de diesel: 300 litros
Design de cockpit amplo e de prático manuseio + amplo paiol para guardar utensílios de navegação, caixa de ferramentas, peças de reserva e muito mais

Design interior:
-       ampla sala com passadeira para apoio de alimentos e mesa de refeições dobrável que pode também ser transformada em um cama.
-       A sala possui um sofá em L e ampla área para estocagem de utensílios e alimentos
-       01 adega para vinhos (6 garrafas)
-       A cozinha esta equipada com geladeira, congelador, fogão de 3 bocas, micro ondas, pia de cuba dupla
-       02 cabines tipo suíte com camas de casal e 02 banheiros integrados às suítes. Os dois banheiros possuem ampla área de chuveiro separada do vaso sanitários e da pia.

Mastreação: Farol, esticadores Nautos, enroladores Profurl (Genoa e Staysail) e Facnor (Balão Assimétrico)
Ferragens de mastro e cockpit: Harken
Catracas: Harken (todas manuais) sendo,
-       2 unidades modelo 52
-       2 unidades 46
-       2 unidades 42
-       2 unidades 40 montadas no mastro
Velas: Olimpic Sails. O enxoval de velas, feitos com dacron importado de qualidade superior, contra com: vela mestra, genoa (montada em enrolador Profurl), staysail (montada em enrolador Profurl), balão assimétrico (montado em enrolador Facnos Asym FX250) e vela de tempestade.
Âncoras: 01 Mantus de 35 kg (principal) montada em 50 metros de corrente de 10 mm + 50 metros de cabo, 01 Bruce de 25 kg (50 metros de cabo reserva) e 01 Bruce de 15 kg
Guincho: Lewmar 1500 w , vertical
Gurupés retrátil para o balão assimétrico
Capotaria: Tlaloc com biminni + doghouse + tenda protetora para sol presa ao mastro + capa de vela

Equipamentos de cozinha:
-       geladeira 12 v com congelador integrado
-       fogão de 3 bocas a gás com sistema de detecção/alarme contra vazamento de gás + solenoide para interrupção do gás em caso de vazamento
-       forno micro ondas

Equipamentos Eletrônicos na sala e mesa de navegação:
-       Chartplotter FURUNO Navnet 3D 13 polegadas com cartas Raster de toda a costa brasileira
-       Radar FURUNO posicionado no mastro para leitura na chartplotter
-       Piloto automático FURUNO NavPilot 500
-       Painel MUltifunção para controle do piloto automático NavPilot 500
-       Painel multifunção FI 503 FURUNO para leitura de profundidade, velocidade, vento e etc
-       Sensor Airmar modelo PB 100 posicionado no mastro com função de GPS, Vento, Temperatura e Pressão Barométrica, para leitura a distância via NMEA 2000 ou USB e conectado a chartplotter ou computador
-       Windmeter posicionado no mastro para leitura a distância na chartplotter ou Painel multifunção
-       Painel eletrônico DC 12V com disjuntores para cada área ou equipamento utilizado no veleiro de forma independente
-       Painel eletrônico AC 220V com disjuntores bipolares (específicos para barcos feitos em alumínio) para cada área ou equipamento
-       Carregador/Inversor MASTERVOLT MassCombi 2000 (12V/220V)
-       Isolador/Transformador  Mass GI MASTERVOLT para isolamento da corrente vinda do píer
-       Seletor automático de corrente AC, MASS System Switch MASTERVOLT para seleção automática entre inversor, píer e gerador
-       Painel de controle do sistema MASTERVOLT Easy View
-       Jogo de Baterias de serviço MASTERVOLT em AGM (Gel) totalizando 600 Ah (3 baterias de 200 Ah)
-       01 bateria para motor com 70 Ah
-       01 bateria para gerador com 100 Ah
-       Gerador a diesel marca Kohler de 6 Kva
-       02 aparelhos de ar condicionado  (18.000 BTU + 12.000 BTU) sendo um exclusivo para a cabine do capitão e outro para a sala e a cabine de proa
-       02 paineis eletrônicos remotos para controle dos aparelhos de ar condicionado
-       01 rádio VHF Icom M604 com comando remoto no cockpit também + antena no mastro
-       01 rádio SSB Icom M 802
-       01 antena SSB modelo GAM instalada no estai de popa
-       01 sistema de aterramento para rádio SSB modelo KISS
-       01 seletor automático de frequências (Automatic Antenna Tuner) para rádio SSB modelo AT 103
-       01 aparelho AIS transponder Class B FA 50 + antena acomplatos a chartplotter
-       01 antena TV Digital + acoplador de RF
-       01 televisor 29 polegadas Marca Sony
-       01 rádio/DVD Pionner com sistema Bluetooth para conexão wireless + 4 alto falantes JLB (2 na sala e 2 no cockpit)
-       01 pistão hidráulico com controle direto e controle remoto no cockpit para comandos de sobe e desce da quilha
-       01 EPIRB MCMURDO S4 SART
-       01 Baliza de localização MC MURDO SMARTFIND E5

Equipamentos eletrônicos na cabine do capitão:
-       01 painel multifunção FI 503 para leitura de vento, profundidade, velocidade e etc

Equipamentos eletrônicos no cockpit:
-       Chartplotter FURUNO Navnet 3D 11 polegadas com cartas Raster de toda a costa brasileira posicionado no DOGHOUSE para fácil visão e navegaçãoo noturna
-       Painel Multifunção para controle do piloto automático NavPilot 500 (posto de comando na roda de leme)
-       Painel multifunção para leitura de vento Modelo FI 501 (posto de comando na roda de leme)
-       Painel multifunção FI 504 para leitura de velocidade, temperatura de mar, profundidade, vento e etc (posto de comando na roda de leme)
-       Interruptor para controle do pistão hidráulico da quilha com sistema de sobe/desce e painel relógio de agulha  para controle do mesmo
-       Interruptores para controle da iluminação externa e buzina

Equipamentos para controle de águas
-       01 bomba pressurizadora ParMax 5GPH
-       encanamento para agua fria e quente individualizados com cores diferentes
-       01 boiler de 40 litros
-       01 holding tank com 90 litros servindo aos 2 vasos sanitários
-       02 vasos sanitários tamanho residencial em cerâmica
-       02 bombas de vácuo (Vacusafe) acopladas ao encanamento dos vasos sanitários e ao holdingtank
-       01 bomba maceradora acoplada ao holdingtank para triturar e eliminar os resíduos em local apropriado
-       02 tampas para entrada de água doce nos tanques
-       02 tampas ara entrada de combustível nos tanques
-       01 tampa para aspiração de resíduos do holdingtank
-       02 bombas automáticas para eliminação de água dos chuveiros
-       02 bombas automáticas para eliminação de água das pias dos banheiros
-       03 bombas de porão todas ligadas em automático diretamente no banco de bateria de serviço

Equipamentos de Segurança a Navegação
-       02 boias circulares
-       pirotécnicos de acordo com as exigências da Marinha Brasileira
-       Coletes Salva Vidas Classe 1 e 2
-       Cintos de Segurança e fita para linha da vida
-       Balsa Salva Vidas para 6 pessoas marca Plastimo
-       01 EPIRB
-       01 Baliza sinalizadora Smartfind

Equipamento reserva e acessórios: o Bepaluhê possui grande quantidade de peças de reserva para reposição e equipamentos em duplicata para maior segurança a navegação.







sexta-feira, 10 de abril de 2015

Velejando de Noronha a Natal - Bepaluhê na FENAT 2014

Após a REFENO de 2014 ficamos mais alguns dias em Noronha aproveitando um pouco aquele lindo paraíso. Os dias lá correram rápido e logo nos vimos preparando o Bepaluhê para o retorno ao continente.

No sábado dia 04/10/2014 nos juntamos a flotilha que iria participar da regata FENAT (FERNANDO DE NORONHA-NATAL). Foi uma velejada maravilhosa, com ventos muito fortes não previstos nas cartas sinópticas ou outras fontes de previsão meteorológica.

Vejam um pouco destes momentos no vídeo abaixo...



terça-feira, 10 de março de 2015

Um grande prazer

Outro dia conversava com a Betinha, minha esposa, sobre as grandes influências dos meus pais em minha vida; cultura, ensino, educação, religião e muito mais...

De tudo, talvez o amor pela natureza, pelas viagens e pelo mar, sejam os pontos que mais evidenciam a presença de ambos em minha formação. 

E é com este pensamento que eu sigo buscando oferecer aos meus filhos a oportunidade para adquirir o mesmo gosto pelo mar que herdei dos meus pais. Parece que a pequena princesa Heloisa já aprendeu a lição e não desperdiça nenhum minuto para aproveitar as delícias do mar.

É … parece que ela herdou muito mais do que só o nome de sua avó!!

 

DSCN4297

DSCN4306

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DSCN4316DSCN4325

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Uma Homenagem a quem me ensinou a velejar

Muito tempo se passou desde nossa última postagem, e alguns amigos nem sabiam que já estavamos de volta a Paraty.

Pois bem, já voltamos!
O Bepaluhê já está com suas amarras bem presas ao píer da Marina do Engenho em Paraty desde dezembro de 2014 e nós ... Ah nós !
Voltamos a rotina de trabalho já em outubro, logo que voltamos da REFENO e fizemos outra regata, a FENAT, de  Noronha a Natal.

Muita água rolou sob nossa quilha neste período e chegamos em dezembro com o sabor amargo da despedida, não a despedida fugaz, corriqueira, aquele adeus que se desfaz após o por do sol, mas o ADEUS, aquela sem volta, de carne e alma, daquele que amamos.
Foi assim que passamos o Natal de 2014, buscando lembranças alegres do nosso querido pai , Evaristo, ou Tito para os amigos, para apagar a dor da despedida.

E para homenageá-lo vou usar este lindo texto escrito pelo seu irmão , meu Tio Silas (obrigado Silas pelas lindas palavras):


domingo, 14 de dezembro de 2014

Adivinha que veleiro é este?

Olha só que lindo presente eu ganhei do amigo Chagas (Veleiro Intuição).
Lindas imagens feitas do Bepaluhê navegando entre Salvador e Maceió em Setembro deste ano.


IMG 0002














IMG 0003 2

















IMG 0005 2


























Agora é tratar de curtir o verão na Baía de Ilha Grande (Paraty, Angra e Ilha Grande) onde o Bepaluhê nos espera ansioso e prontinho para passear.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

REFENO 2014, O VÍDEO

Demorou mas chegou!
Foi preciso um pouco mais de tempo para amadurecer todas as experiências vividas durante esta Refeno e também conseguir escolher os trechos mais significativos desta maravilhosa velejada que fizemos.

Mas o resultado final está aí, espero que aproveitem!



REFENO, uma experiência ímpar...
Fernando de Noronha, um lugar sem igual...


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

REFENO 2014 - Fomos e Voltamos

O que dizer de uma regata com 305 milhas náuticas, mar alto com ondas de 3 metros e ventos uivando entre 25 a 30 nós?
Só podemos dizer que fomos, curtimos, voltamos e nosso maravilhoso veleiro Bepaluhê esta inteirinho, sem nada quebrado!
E olha que este ano teve de tudo, barco com mastro quebrado logo no início, lemes quebrados, naufrágio e muito mais ...
No total foram 9 veleiros que não puderam completar a regata por problemas os mais diversos.
Nós, que éramos marinheiros de primeira viagem e com uma tripulação pouco entrosada para regatas (dois casais tentando curtir o passeio ao máximo), até que ficamos contentes com nosso desempenho, em especial por termos resistido firme nos turnos, por termos chegado ilesos e por termos superado aquele marzão danado que Deus nos mandou.

Chegamos a Recife no dia 24/9 a tarde e fomos direto para o Cabanga Iate Clube onde o Bepaluhê nos esperava tranquilo em uma bela vaga que o amigo Comandante Sérgio Chagas (Veleiro Intuição) o havia colocado uma semana antes vindo de Salvador.

DSCN3864


















                                                      Cabanga Iate Clube - Um ícone nacional

No barco já estavam nos esperando os amigos e parceiros nesta empreitada, o casal Jairo e Claudia do Veleiro Nemo (Ilha Sul Náuticas), prontos para desfazer as malas e arrumar o barco para a “longa” travessia.
Aproveitamos para colocar as conversas em dia e curtir um pouco o ambiente. Terminamos o dia e começo da noite com uma petiscos e ostras frescas (que só eu comi pois os outros não gostavam de ostras) no bar da piscina do clube.
E os dias foram correndo entre conversas e preparativos para a regata; fomos ao supermercado comprar os mantimentos para a viagem e passeamos um pouco, bem pouco, pela cidade.
Dia 25/9 a noite fomos à grande festa de abertura oficial do evento seguida por jantar e baile. Voltamos cedo para o barco...

DSCN3870










DSCN3868





























                            Tripulação confraternizando no almoço e passeando no clube

E quando vimos já era sexta feira a noite, véspera da partida e a ansiedade já estava solta. Betinha preocupada em como iria enfrentar o mal estar e Claudia ansiosa com a grande aventura.
Partiríamos na primeira largada, logo as 12:30 hs do sábado dia 27/9/14.

DSCN3887


















                                              Ancorados no canal a espera da largada


DSCN3893
























                     






Reparos finais - trocando a lâmpada de navegação


No início deu tudo certo, largamos bem, sem queimar e fomos lentamente (ventos de 14-15 kt) passando os outros barcos ainda dentro do canal do porto, mas de repente entrou um vento mais forte de 20 kt e nós arribamos muito para sotavento e este foi o erro. Quando dei a ordem para cambar a genoa não enrolou e fomos derivando perigosamente para cima dos molhes do fim do canal...

DSCN3901


















                                                              Largando bem

Todos do grupo nos passaram e perdemos quase uma hora tentando nos safar dos molhes e recuperar o tempo. Erro de principiantes!!

DSCN3903


















                         
                 Sufoco logo após a largada e a turma de traz já nos passando

Na sequência, o vento acalmou e tivemos muita dificuldade para conseguir chegar à bóia que estava ao sul do ponto de largada. Nesta brincadeira perdemos quase 3 hs e nos estressamos muito. Quando finalmente consegui colocar o barco no rumo certo já passávamos das 15 hs e eu tinha uma tripulação com o moral lá embaixo e uma tripulante, minha querida Betinha, já mareada e vomitando sem parar. Devo dizer que estive por pouco para abandonar tudo e voltar para Recife. Mas Betinha foi forte e me permitiu seguir adiante.
Logo após montar a bóia sul, com ventos ainda fortes na casa dos 25-30 kt, cruzamos com o primeiro veleiro avariado, um catamarã que havia quebrado o mastro, que dor! Fizemos contato no rádio, estavam todos bem a bordo e o socorro já fora acionado via rádio. Seguimos viagem um pouco preocupados com o que nos esperava.

DSCN3909


















                                      


                  Um susto, catamarã com mastro quebrado

Com a ajuda do amigo Jairo, que aos poucos fomos nos entrosando no controle das velas e do barco, conseguimos imprimir um bom ritmo noite a dentro e apesar do mar e vento grandes, o Bepaluhê se comportava como um verdadeiro trator do mares, cortando as ondas menores e surfando nas maiores.
Com a quilha toda baixa, a vela grande no primeiro riso e a genoa com 2/3 seguimos com velocidades que variavam de 6 a 7 kt. Depois das 10 da noite rizamos um pouco mais a grande para dar mais conforto e permitir que um de nós descansasse um pouco. Fizemos turnos de 2 hs até o amanhecer.
Betinha passava mal, não podia descer para a proteção do interior do barco pois piorava, passou a noite toda no cockpit, nauseada e vomitando, deitada no canto e tentando segurar a onda. Não tinha nem palavras para falar.
No dia seguinte, domingo 28/9, o tempo amanheceu lindo e aos poucos o moral a bordo foi melhorando e voltando ao normal. Durante o dia eu e Jairo nos divertíamos trinando as velas e tentando tirar o melhor do Bepaluhê que chegava a fazer 8-9 kt nas surfadas, devo dizer que daí pra frente fomos levando o o barco na ponta dos dedos (mentira, o piloto automático foi quem controlou brilhantemente o barco toda a viagem) e levei o Bepaluhê ao seu limite, como nunca havia feito antes. Tivemos períodos durante o dia com todo o pano aberto, barco bem adernado e desempenho excelente para um veleiro de cruzeiro equipado e pesado como o nosso.

DSCN3910


















                                               


                       Velejada maravilhosa com todo pano em cima


DSC 3994
















                                       
       


                    Claudia e Jairo curtindo o barco, o vento e a velejada


DSCN3916


















                                                   



                                            Bepaluhê a todo pano de dia



DSCN3928


















                     




                 Betinha começando a melhorar um pouco no fim do segundo dia



DSCN3925


















                                                         



                                    Por do sol no mar: impagável


DSCN3947


















                                                      
    

                                    Andando bem nas surfadas 

A segunda noite já foi mais tranquila, não no vento e no mar, mas na segurança que tínhamos no barco e no nosso desempenho. Betinha já estava um pouquinho melhor e pelo menos conseguia se hidratar, conversar um pouco e tinha palavras para jurar que “nunca mais”!

DSCN3938


















                                                



                              Pirajá ao anoitecer: só para assustar

Amanheceu dia 29/9 e tínhamos a certeza que os primeiros veleiros já estavam em Noronha, e nós ali ainda em busca do nosso destino. Por outro lado estávamos dispostos e cada vez mais felizes e seguros. Sabíamos de vários veleiros com avarias e desistências e este fato reforçava nossa alegria de estar chegando em Noronha.

DSC 4016
















                                      


                Agora sim a almiranta começou a se recuperar


DSC 4021
















                                          


                           Comandante Paulo louco para ver a ilha

Passavam poucos minutos das 12 hs quando avistamos a Ilha de Fernando de Noronha ao longe, camuflada pela névoa que vinha do mar e refletiam nos raios solares. Daí até a chegada foi só uma questão de paciência .

DSC 4018
















                                                 


                                         Fernando de Noronha ao fundo


DSC 4029
















                                              

                               Comemorando a chegada: ansiedade a mil 

Às 15:31 montamos a ponta da Sapata!
Às 16:29 cruzamos a linha de chegada no mirante do Boldró com 51 horas e 51 minutos !


DSC 4064


























DSC 4085




















                                 






                       Noronha: um espetáculo a parte. Só que foi sabe!



DSC 4109
















                                     



                           Morro do Pico e Dois Irmãos: ícones de Noronha

Estávamos realizados! Cansados certamente, mas realizados e felizes pela conquista.
O nunca mais ficou para traz e abriu espaço para curtir a ilha pelos dias que se seguiram, mas isto eu contarei no próximo post...

DSC 4150
















                                  



                          Enfim ancorados em Noronha! Morro do Pico ao fundo


Dedicatória:
Dedico esta viagem ao meu amor Betinha, que dentro da sua intangível fragilidade, se fez forte como uma leoa (do mar claro) permitindo que eu realizasse este sonho e vivesse intensamente cada segundo deste passeio/regata.
Obrigado Betinha!!

Agradecimentos:
Aos amigos Jairo e Claudia pelo companheirismo e dedicação durante os 10 dias em que estivemos juntos, convivendo, sofrendo e nos divertindo muito.
Tenho certeza que esta regata ficará marcada para sempre!


sábado, 23 de agosto de 2014

Velejando de Paraty a Salvador (Parte) 2

Olá amigos, neste vídeo mostramos alguns dos momentos maravilhosos que passamos durante a travessia de Vitória a Salvador, passando por Abrolhos e Santo André.

Foram 8 dias de viagem com 5 navegados, muito vendo e boas velejadas.



Espero que curtam!!







Agora começa a contagem regressiva para a REFENO!!


sábado, 2 de agosto de 2014

Enquanto a REFENO não vem


                                                Longe do mar … dentro do coração!!                          
DSC 3717























                                 “posso sair do mar… mas o mar jamais sairá de mim”


quinta-feira, 17 de julho de 2014

Navegando de Paraty a Salvador

E o grande dia chegou!!

Chegamos em Paraty, Sérgio Chagas (Veleiro Intuição) , Rogério Di Giorgio (Veleiro SpyroGira)  e eu ( Paulo do Bepaluhê) , por volta das 15 hs do dia 25/6. O Bepaluhê já estava limpinho e pronto para zarpar, faltava apenas arrumar todo o rancho (alimentos) que havíamos comprado para estes quinze dias de viagem. Fica aqui meu super obrigado a minha amada Betinha que, mesmo na correria de trabalho, tirou um tempinho para fazer uma super compra de mantimentos para nossa viagem.
Gastamos o resto do dia arrumando e estocando alimentos e bebidas, afinal seriam 15 dias de viagem.

No cardápio dos congelados tínhamos o "escondidinho de carne seca” do do mestre Chaguinhas, as lasanhas e sopas lá de casa (valeu tia Marcia) e umas carnes para churrascos e assados.

Ahh, e tinha também a promessa de peixe do novo amigo Rogério “Brodinho”, e não é que o cara mandou bem na pescaria e nos garantiu peixe frequinho!!

O nosso objetivo era chegar em Salvador em  15 dias e deixar o Bepaluhê no Aratu Iate Clube descansando até a REFENO. Na programação tínhamos algumas paradas estratégicas em Búzios, Vitória, Abrolhos, Santo André e finalmente Salvador.
Dividi a tripulação em 3 etapas:
  • Paraty- Vitória: Paulo, Chaguinhas e Brodinho
  • Vitória-Abrolhos-Santo André: Paulo, Betinha e Chaguinhas
  • Santo André-Salvador: Paulo e Chaguinhas
Analisando meteorologia e o tempo durante todo o mês anterior a partida percebi que as frentes que estavam subindo e trazendo ventos favoráveis para nossa travessia não estavam chegando com a força e duração que esperávamos e muitas vezes as frentes seguiam rumo ao mar antes de chegar a costa sul do Rio de Janeiro onde estávamos. Pior, sem boas frentes era o nordeste que reinava por aqui.
Para nossa sorte percebemos que uma frente fraca estava por chegar, trazendo ventos fracos para velejar, mas reduzindo o vento contrário. Decidimos então sair no dia seguinte e seguir motorando até Búzios se fosse necessário, foi o que aconteceu.
Com vento fraco e mar azeitado partimos de Paraty no dia 26/6, com 5-6 kt de velocidade com o motor mantendo 2200rpm. 
NADA DE VENTO por dois dias. 
Valeu para descansar e aprimorar a técnica de pesca oceânica com o amigo Rogério “Brodinho”.


DSCN3409



























DSCN3427



























DSCN3449


























Chegamos em Búzios com tranquilidade mas já com um nordeste ventando fraco e  anunciando o que seriam os próximos dias: o famoso vento NAKARA.
Não tinha outra opção, era esperar uma outra janela com ventos de quadrante sul ou NE mais fraco. E assim fizemos por mais 2 dias inteiros, deixando para sair na madrugada do dia 01/7, mais uma vez com NE fraco e tocando no motor.


DSCN3474


























                                          Bepaluhê e os clássicos em Búzios


DSCN3489


























No meio da manha do dia 01/7 veio o grande presente, uma barracuda de 3-4 kg, tamanho justo para nosso almoço e uma sobra ainda. O Rogério “Brodinho” mandou muito bem, tanto na pescaria como no “tratar” e preparar o peixe para o forno.

DSCN3500



























E como a disputa do prêmio “Chef Gourmet do Mar” ainda estava aberto, o Brodinho correu para a cozinha para preparar a bela iguaria, e vejam no que deu: uma manta assada ao forno com alho, cebola e azeite.
Uma delícia!!

DSCN3522



























DSCN3524



























Ao amanhecer do dia 02/7 já podíamos ver Vitória ao longe e por volta das 9 hs já estávamos atracados ao píer do Iate Clube do Espírito Santo.

"Just in time” para receber minha amada que acabara de chegar de Sampa por via aérea. Seguimos, Betinha e eu, para um hotel deixando o Chaguinhas e Rogério no barco.

Fica aqui meu agradecimento ao novo amigo, Rogério “Brodinho” Pescador pela companhia e companheirismo, este é nota 10!

Dormimos em Vitória esta noite após um delicioso jantar na casa de amigos e no dia seguinte zarpamos lá pelo meio dia com rumo a Abrolhos.

Uma travessia tranquila, com mar azeitado, ondas pequenas e vento praticamente zerado, e da-lhe motor.
A noite foi tranquila com turnos de 2 hs alternados entre eu e Chaguinhas a partir das 18 hs. Vale lembrar que esta é uma boa divisão de turnos quando estamos em duas pessoas para dividir.

A almiranta fez um pouco de companhia para cada um de nós e lá pela meia noite foi dormir um pouco.

DSCN3540


















            







                                       Saindo de Vitória: almiranta Betinha no comando


DSCN3589


























                    Caindo a noite com Paulo e Chaguinhas no comando


DSCN3592


























                               O Comandante e a Almiranta no turno do entardecer


DSCN3595


















           






    
                                          Amanhecendo rumo a Abrolhos


DSCN3643


























Durante toda a manhã do dia 04/7 passamos por dezenas de baleias. Sempre aos pares (mãe e filhote) fomos brindados com dezenas de cetáceos passeando e se divertindo ao nosso redor.

Um show da natureza !

Como eu esperei por estes momentos...

DSC 3257























                                                             Mãe e filhote


DSC 3297























                                                     Um salto ornamental!


DSC 3317
















   



   


                                                                      Splash!!


DSCN3660


























Curtindo a aproximação do Farol de Abrolhos!
… Radio Farol de Abrolhos, Radio Farol de Abrolhos… Veleiro Bepaluhê
… prossiga veleiro Bepaluhê, canal uno quatro.


DSCN3665





















 



 Comandante Chaguinhas em mais uma aproximação ao arquipélago de Abrolhos… sabe tudo este comandante!


Após as formalidades e solicitação de autorização para fundear no arquipélago (lembrem-se que ali quem manda é a Marinha do Brasil em colaboração com o ICMBio ), conseguimos também autorização para desembarque na Ilha e corremos para assistir mais um jogo da fatídica Copa do Mundo do Brasil 2014.

Felizmente o Brasil venceu o jogo e retornamos ao Bepaluhê para uma “boa”noite de sono (ventava leste puro e o vento entrava na pequena Baía em uma parte desprotegida tornando a ancorarem um pouco mais mexida que o habitual).

No dia seguinte, pegamos carona em uma visita que os profissionais do ICMBio fariam com profissionais do ramo de fotografia para documentar a fauna da Ilha Siriba.

Foi um banho de informações, de cultura e de conhecimentos fotográficos. Bem divertido!!
Isto sem falar que ver e documentar toda aquela natureza “bruta” foi um verdadeiro prêmio de “Honra ao Mérito”por ali estarmos e por termos chegado com nossos próprios meios e conhecimentos náuticos.


À Marinha do Brasil e ao ICMBio, nossos eternos agradecimentos e reconhecimento pelo lindo trabalho que ali exercem. 


DSCN3725

























                                               Entre o céu e o mar


DSCN3734

























                          Como pinto no lixo! (feliz para quem não sabe)


DSCN3778

























                                                Mar e Ouro


DSC 3406
























                                                 Se achando...


DSC 3345























                                                          O Atobá...

DSC 3371



















DSC 3538


























E o malvado preferido das Fragatas, só de olho nos ninhos dos Atobás...


DSC 3440























                                                      É nóis …. tricolaço!


DSC 3437























Como eu saio daqui??  disse o brodinho Chagas


DSC 3444























A almiranta, minha amada, fazendo “de um tudo” para estar ali comigo, curtindo e aproveitando o momento.
Mile Grazie amore mio!!!

DSC 3502






















  
                       Comandante Paulo na Siriba com o Farol de Abrolhos ao fundo

DSC 3554






















                                 Meu atobá preferido

Fizemos o passeio da Siriba de manha e quando o sol batia meio dia ouvimos no rádio… “veleiro Bepaluhê, Veleiro Bepaluhê"

“Bepaluhê na escuta, disse eu”

"Será que vocês podem mudar o local de ancorarem pois o Navio Baliza Tenente Boanerges está se aproximando para descarregar suprimentos e realizar manutenção ao Radio Farol Abrolhos"

obs: O NB Tenente Boanerges é a primeira na Marinha do Brasil a ostentar esse nome. Homenageia o Capitão-Tenente Boanerges do Amaral Filho, falecido em serviço no ano de 1946, quando em campanha hidrográfica, na região de Macaé, Rio de Janeiro.

Esta foi a senha que precisávamos para suspender nosso ferro e partir rumo a vila de Santo André, no município de Cabrália ao sul da Bahia.

Partimos as 14 hs com 15 kt de vento leste puro, nos dando uma velejada magnífica (talvez a melhor de todas) até o fim da tarde e início da noite. O vento leste sempre constante, variando de 13 a 15 kt. permitiu brincarmos com os ajustes de vela, abrindo todo o pano em uma velejada inesquecível.


DSC 3563
















 





   
                            Deixando Abrolhos em uma velejada memorável

DSC 3573
























DSC 3567























                            Armação em Cutter com as duas velas de proa abertas


DSC 3609























DSC 3599



































DSC 3555






















 
                               Comandantes Paulo e Chagas delirando...

Mas como nem tudo são Rosas, a noite veio e Netuno nos trouxe surpresas: mar de 2-3 metros, desencontrado com ventos que variávam de 18 a 25 kt.

Uma noite menos memorável e muito desconfortável.
Mas como dizem os patrícios de Alentejo… “é o que temos para hoje"

DSC 3634
















 Entardecer no mar… só para quem tem coragem de se fazer ao mar


Chegamos na barra de Santo André bem no horário marcado… a matriz ja marcava 9 da manhã e mestre Carlindo (nosso guia na barra de Santo André) respondeu nosso chamado ao rádio.
Entramos tranquilamente seguindo o Carlindo barra a dentro. Para trás um mar revolto, mais a dentro um rio de águas límpidas e um povo hospitaleiro.

Ancoramos bem em frente ao restaurante Gaivota e corremos para terra.

Depois de 3 dias de descanso em Santo André aguardando melhores condições meteorológicas, suspendemos o ferro no dia 10/7 e seguimos barra a fora fazendo rumo direto para Cumuruxatiba e Salvador.

Foram 30 hs de travessia com um pouco de tudo, pouco vento e muito motor no primeiro dia, noite tranquila com muitos pesqueiros com redes e espinhéis para todo lado, e por fim, após o almoço do segundo dia, vento NE firmando entre 15-18 kt com tudo o que precisávamos para chegar tranquilamente em Salvador.

Um pouco de tudo!

DSC 3687
























DSC 3664
























DSC 3686
























DSC 3695
























DSC 3704
























DSC 3709



































DSC 3710
























DSC 3745
























DSC 3760























                                                          O V da vitória


DSC 3727























                            O bêbado e o equilibrista ( ele só toma Coca-Cola, kkkk)


DSC 3715























                                                            Il dolce far niente


DSC 3724
























DSC 3731
























DSC 3771



































DSC 3792























                                            Chegando em Salvador


DSC 3793
























E da-lhe PIrajás

Chegamos em Salvador na manha do dia 11/7 e seguimos para o Aratu Iate Clube onde o Bepaluhê irá descansar por alguns meses até a REFENO.

Quero agradecer a minha querida amada Betinha pelo apoio irrestrito à realização de meus sonhos e aos meus parceiros maravilhosos de viagem, Sergio Chagas e Rogério Di Giorgio pela companhia e apoio durante todas as etapas da travessia.

Nos vemos na REFENO